Projeto de cultura e dança movimenta Escola Municipal Dorival Caymmi em Itapuã


A Escola Municipal Dorival Caymmi, em Itapuã, foi palco, no dia 7 de dezembro, da apresentação final do projeto “BAHA`I – UMA PEDRA QUE RONCA EM ITAPUÔ. O projeto faz parte do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do dançarino Agnaldo Fonseca, estudante da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (UFBA), sob a orientação da professora Amélia Conrado.

Nascido e criado no bairro de Itapuã, o bailarino escolheu a escola Dorival Caymmi para realizar seus estudos de conclusão de curso, também, com isso, mostrar para as crianças o lugar de pertencimento e do empoderamento cultural. “Esse já era um dos meus anseios: dar retorno à minha comunidade, enquanto profissional da área da dança. E esse foi um momento oportuno para realizar esse desejo. Uni o útil ao agradável”, disse Fonseca.

A dança desenvolvida durante o projeto esteve ligada a referências étnicas, estéticas e simbólicas da cultura do bairro, e marcada por uma abordagem pedagógica e metodológica “libertadora e criativa”. “Confesso que inicialmente não foi fácil. Quando você traz uma dança, uma história voltada para suas referências de pertencimento étnico-cultural há uma resistência, provocada pelo choque com a cultura produzida midiaticamente, através de TV e Rádio”, contou.“Mas esse Projeto teve o objetivo alcançado, trouxe uma mudança significativa para a vida deles e espero que eles possam levar isso para sempre e para outras crianças”.

Os trabalhos foram realizados entre os dias 4 de maio e 6 de dezembro. Entre as atividades realizadas em sala de aula, houve Oficina de Capoeira com o professor Zebu e equipe, dinâmicas de improviso, com encenação de baianas de acarajé, imitação de pescadores, composições em grupo, dinâmicas com bexigas (criatividade e ludicidade), e imitação de um pai acolhendo o filho na aula de imagens e formas. Houve ainda exibição de vídeo sobre os Povos indígenas Tupinambás, e passeios guiados pela comunidade.

“Pra gente foi mais do que gratificante. Esse sonho era antigo e queríamos realizar um projeto de artes e dança em nossa escola. A proposta trazida pelo professor Agnaldo casou com esse nossos objetivo. Itapoã é um bairro cultural com um potencial incrível para dança, música e tudo que é relacionado à cultura e às artes. A dança trouxe b

enefícios, além da expressão artística e da atividade física, como melhoras no comportamento, no desempenho e na concentração das crianças. Foi uma proposta que trouxe crescimento para eles”, relatou a diretora Marinalva Gonzaga.

Todo figurino foi confeccionado pelos estilistas do Teatro Castro Alves, Albano D`Ávila (Moaba), responsável pela confecção dos figurinos, Saraí Reis, Zoila Barata, Gil Nascimento e Agamenon Abreu, parceiros no projeto.

Fonte:Agecom Salvador


Deixe uma resposta